A sério, mesmo, só uma criança a brincar
Quarta-feira, 9 de Agosto de 2006
Superfície

O meu modo de vida é andar à superfície. Há uma pele nos objectos que delimita, com clareza quase ilimitada, o seu lado exterior do seu lado interior. Claro que só o digo assim porque estou a olhar para os objectos na minha perspectiva superficial e portanto também a clareza quase ilimitada a que me refiro é uma clareza quase ilimitada mas superficial. Também é à superfície das coisas, dos objectos portanto, que sou capaz de encontrar, sem grande esforço - como é próprio de andar à superfície - um lado exterior, que é, por definição e prazer, o meu lado, e um lado interior que, por razões próprias do meu modo de vida, só me interessa de maneira muito superficial.

Aqui à superfície sou mais do que eu. Como se estivesse ao leme, levando a nau a bom porto.


Os corpos interagem pela respectiva superfície. Tocam-se, mas não se chegam a tocar verdadeiramente. A parte de um corpo que toca a parte de outro corpo é apenas a instável e probabilística e quântica nuvem electrónica das suas moléculas que toca apenas a quântica e probabilística e instável nuvem electrónica das moléculas do outro corpo. Nesse toque há sempre, numa superfície cuja mínima espessura desafia a imaginação, uma troca de electrões que se se desse o caso de terem uma individualidade ou um nome próprio, dariam a um investigador, ainda que superficial, a hipótese de saber que objecto tocou em que objecto, que corpo roçou em que corpo, que coisa chocou com que coisa.


É à superfície que ocorrem os contactos. É à superfície que ocorrem as trocas. É à superfície que se traçam os caminhos e se percorrem as estradas e se escrevem os desejos.


Se a terra fosse uma maçã, a espessura habitável seria a fina casca. É aí que eu moro, nesse lugar apertado mas suficientemente vasto para as minhas exigências.


O meu sonho é ir ao fundo das coisas. Existe textura, forma e peso debaixo da pele. O único mal de andar à superfície é a incómoda e permanente sensação de haver uma massa que nos suporta, um plano que não é o nosso plano, um fundo a que não acedemos, uma espessura que é mais espessa que a razão, um interior que existe sempre, mesmo quando tentamos desvendá-lo. O que não está à superfície pressupõe o absurdo da crença. Deixo isso para o sonho. Adormeço na fase líquida e mergulho na lava, à espera de perceber, à espera de saber o que é a verdade. Durante o sonho pego nas moléculas dos objectos e separo-as umas das outras à procura da razão porque estão ali, como se se sentissem bem a fazer um corpo maior que elas, como que quisessem cooperar.


Aqui, no fundo, sou mais do que eu. Pedaço atómico de um formigueiro que se estende pelos continentes. Os corpos não sabem do interior uns dos outros. Permanecem na ocultação de não saberem de si próprios, daquilo que move a quilha para estibordo. Sonho então que sei o que está aí dentro, no interior que parece conter a razão das coisas e fazê-las inesperadamente mudar de rumo, mesmo que a superfície calma, a planície fleumática, o vagar manso das águas pareça mostrar a paz do instante imediato.


À superfície sonho o interior dos objectos, as hipóteses para as estruturas, o movimento telúrico dos magmas. Na lâmina rasa dos instintos leio os sinais do desconhecido. Não creio que o interior nos queira, de livre vontade, mostrar-se como é, revelar-se, tornar-se exterior. O que não é suportável é a pressão absurda do inconsciente à procura de caminho no acaso dos batimentos cardíacos. Se quisermos, a verdade é isso: o abalo sísmico que diz o que é o fundo das coisas. Todo o fundo é um sonho da mesma forma que a superfície é real. Desvendar é transformar fundos em superfícies, interiores em exteriores, medos em banalidades.

Prólogo



publicado por prólogo às 19:15
link do post | comentar | favorito
|

6 comentários:
De maria carvalhosa a 10 de Agosto de 2006 às 12:35

Em boa hora regressaste, Prólogo. Já tinha saudades dos teus textos filosóficos. Ninguém, nesta blogoesfera minha conhecida (que é apenas uma pequena parte da "dita", como sabemos) trata os temas desta forma, tão surpreendente quanto desconcertante e, no entanto, com uma lógica muito própria, muito sábia. Dir-se-ia que te é fácil discorrer sobre os assuntos com a mesma facilidade com que comes uma maçã (casca e polme - superfície e conteúdo (fundo, profundo!...).

Obrigada por existires. Trazes-me pão e mel e vinho (como no Cântico dos Cânticos, atribuído a Salomão) e eu sinto que sou uma pessoa mais completa desde que te encontrei.

Um beijo sentido.

Maria


De maria carvalhosa a 4 de Setembro de 2006 às 12:21
Olá,

Entristece-me o facto de não saber se, ao menos, leste o meu comentário. Para ti pode ser insignificante e não merecer mais do que a ignorância a que o remetes. Para os admiradores da tua escrita, como é o meu caso, é importante saber se faz algum eco em ti uma manifestação de apreço.
Só isso.
Um beijo.
Maria Carvalhosa






De prólogo a 9 de Setembro de 2006 às 18:51
Peço desculpa, Maria, pelo meu desleixo em mostrar o agrado que os teus comentários me trazem. Como já deves ter reparado não são muito frequentes as reacções aos textos que vou colocando por aqui. Mesmo no 'Zumbido' que, digamos assim, tem mais "audiência", raras vezes há 'feedback'. Confesso que desde o primeiro, os teus comentários me têm surpreendido e, já o disse, deixam-me sem palavras. Prometo que farei um esforço para estar à altura do que me dizes, calando sempre o arrepio que os imerecidos elogios me provocam.


De Bárbara Ferreira a 23 de Junho de 2008 às 00:45
Olá!
Esse texto é de sua autoria?Achei fantástico . Gostaria de pedir sua autorização para utilizá-lo como descrição de um espaço que estou criando.
Espero a resposta, agradecida
Abraços.


De prólogo a 23 de Junho de 2008 às 23:51
Olá, Bárbara. Ao reler agora o texto, um pouco pela superfície, também fiquei na dúvida se o texto era da minha autoria. Passados dois anos é difícil saber o que é nosso e o que não é. Um texto é um momento, é a feliz, ou trágica, materialização de um momento. Hoje as minhas preocupações são outras e não me sinto capaz de pensar em coisas destas. O 'eu' que o escreveu há dois anos era outro 'eu', com preocupações que entretanto foram substituidas É justo, por isso, que um texto que já perdeu o 'dono' possa ser útil a quem o desejar. Daquilo que é a minha responsabilidade só posso ficar lisonjeado por um texto 'meu' poder ser útil em algum lugar. Leve à vontade. Abraço.


De Bárbara Ferreira a 24 de Junho de 2008 às 00:00
Muito obrigada!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29


posts recentes

Spam

Certeza

Passatempo

Gurulândia

Bruma

Verão?

Fatídica

Genérico

Corte

Simtoma

arquivos

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Maio 2005

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds