A sério, mesmo, só uma criança a brincar
Sexta-feira, 23 de Junho de 2006
Caminho

Gosto de estradas sinuosas; de não chegar nunca ao destino; de ficar pelo caminho e nunca ter de esperar pelo regresso.

Gosto, agora que o digo, e não sei o que diria ausente numa estrada sinuosa sem conseguir chegar ao destino.

Gosto por pensar que é bom gostar de coisas estranhas e querer que a estranheza se instale em qualquer lugar de mim, nem que seja à força.


Gosto de gostar, antes mesmo de pensar no que gosto.

Viro-me para o lado de onde vem o sol e espero que queime, que me dê uma indicação clara do lugar para onde vou e a que distância fica o norte.


Várias vezes me pergunto o que quero dizer deste gosto que tenho em gostar sem saber de quê e o que quero saber quando o sabor de um gosto me perturba o gosto de outro sabor que já não sabe como o sabor de outro gosto de que gostei.

Jogo, por isso, como o gosto e com a maneira de pensar o gosto.


Gosto de lugares onde ainda não fui; muito mais do que dos lugares onde já estive; e ainda mais do que dos lugares onde estou.

Já não é como era quando o que queria era chegar depressa ao lugar de ocaso.

Espero enquanto espero que a chegada se demore no caminho e aguardo o momento, que não ainda o momento final.

Sobre o tempo fica pendente a sua imperfeição; o seu andar levemente descaído para a indiferença; a bússola pousada no colo a pensar horizontes magnéticos de desejo.


Estamos parados agora no vale de lugar nenhum; ligeiramente à esquerda da fonte da sede eterna; próximos do oásis da desidratação; vigiados de perto pelos satélites da absoluta ausência.

Há setas a indicar o horizonte, erguidas sobre plataformas rotativas que giram com a penumbra e sigo com os olhos o risco altivo de um avião que regressa a casa.


Gosto de ficar por aqui pela parte norte do desejo.

Não monto a tenda porque isso já me pareceria uma concessão ao destino.

Fico à espera como se não esperasse, e com o tempo percebo que já não espero e monto novas teorias da existência, repelindo a fé e a intensidade dos sentidos, substituindo o arfar sagrado do cansaço por novas leituras da realidade, erguendo sempre a vista para uma verdade que já não está lá.


Não é forçoso que o mundo seja perfeito; não é forçoso que se mova; não é forçoso que seja como eu o quero às vezes, nessas vezes curtas em que eu o quero.

Gosto do que está antes, do que vem antes de o movimento ser excessivo, antes de a música ficar demasiado alta, antes de a bebida ter tornado os sentidos inoperantes e as cores serem todas uma, antes de ficar desiludido no lugar que procuro.

Sobre a marcha lenta que antecipa a rigorosa chegada à meta, adormeço as tempestades, arrumo os modelos reduzidos da minha intenção e preparo a partida para outra etapa em que os ventos tenham apagado os trilhos e enfeitiçado a paisagem de miragens.


Prólogo



publicado por prólogo às 23:04
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De maria carvalhosa a 20 de Julho de 2006 às 18:00

Diz-me: isto é uma resposta torta ao meu post sobre a estrada sinuosa, ou nem sequer passaste pelo meu blog e trata-se de uma simples coincidência?

Um beijo.

Maria


De prólogo a 20 de Julho de 2006 às 19:31
Os textos, mesmo os que não têm palavras, surgem sempre como respostas, reacções aos estímulos que nos vão marcando ao longo dos dias. Agora que dizes, e dada a data em que ambos foram escritos, é muito possível que a leitura do teu texto tenha semeado alguma intenção. Porque é raro o dia em que, disciplinadamente, não percorro os 'links' que estão guardados no zumbido, e terei lido em data apropriada o teu belo e sinuoso texto. Mas sei que este 'caminho' não teve o propósito directo de se confrontar com o teu, porque sei que pensei, aí sim de propósito, um outro texto que ainda não escrevi - que ainda não tem palavras - para me mostrar a mim o porquê de eu não olhar para a distância com o optimismo que em ti distingue os 'esses' dos 'vês'. Obrigado pelos teus estimulantes comentários.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29


posts recentes

Spam

Certeza

Passatempo

Gurulândia

Bruma

Verão?

Fatídica

Genérico

Corte

Simtoma

arquivos

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Maio 2005

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds