A sério, mesmo, só uma criança a brincar
Terça-feira, 2 de Agosto de 2005
Apara raios
Olha se eu agora aparecesse aqui e fosse outro se não se soubesse que era eu e portanto se não pudesse identificar a origem desta fala a não ser por suspeita ou por desejo de suspeita ou ainda melhor por ser afinal outro mas não o outro que sou e sim um outro que não sou afinal eu.
Dos factos não sobraria nenhum gesto a não ser a memória difusa do que terá sido mas não tendo sido não se revelou e não se tendo revelado só resta a certa incerteza de não ter sido mais nada do que um movimento perdido.
Olha se eu agora não fosse eu nem fosse nada e não quisesse perder o meu tempo a perder e tivesse por isso que saltar de linha em linha com a ligeireza de um crocodilo no seu rio predilecto à procura do rasto sanguíneo das lágrimas que se evaporaram nitidamente na curva mineral do dorso da corrente.
Vida e água serão a mesma coisa quando se vertem avidamente sobre a terra seca do estio prolongado das ideias e dos sentidos e das ilusões.
Olha se eu agora batesse à porta e não fosse eu mas outro rosto eventualmente desconhecido como é sempre o rosto que surge no lugar do rosto que se espera e dá lugar a outro e que por isso e por outras coisas acaba por ser melhor ou pior recebido conforme as sensações que se tenham acumulado no momento e tenha sido adicionada a negação de todos os sentidos e de todas as formas.
Há em cada esquina uma surpresa que poderemos receber ou não mas que estando lá nos espera e nos soletra por gestos horrivelmente subtis modelos novos de encarar o descer da luz sobre os actos mais banais e diz com a repetição própria de tudo o que é vivo que a surpresa que há em cada esquina não é nada comparada com a surpresa que às vezes vem de dentro e leva o pensamento para as esquinas da memória que não tem objecto nem vontade de ser nuvem nem sonho nem pedra nem fome nem desejo.
Olha se eu agora dissimulado em paisagens etílicas parecesse outro que não sou ou pelas mesmas razões parecesse o outro que sou e se dissolve em solventes universais da memória e que dos gestos habituais me movesse para saltos mortais de defunto que no fundo sou de todas as ilusões ou pelo menos daquelas que davam sustentação ao gesto arbitrário de me querer morto antes da hora e não agora e nada nada nada.
O meu sonho era ser um pára-raios colocado no mais alto dos edifícios da terra à espera da carícia eléctrica da próxima nuvem cinzenta e aterradora que se desfizesse em lágrimas perante o ar seguro da minha alegria e esta força interior desconhecida e oculta que me liga directamente à terra de onde nasce todo o sentido do amor do humor e do fogo.

amm(582)


publicado por prólogo às 10:28
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29


posts recentes

Spam

Certeza

Passatempo

Gurulândia

Bruma

Verão?

Fatídica

Genérico

Corte

Simtoma

arquivos

Fevereiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Maio 2005

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds